a cidade e as terras

Abril 28 2010

Quando as coisas começaram a correr mal a culpa era de alguns jornalistas. Depois, era uma cabala para a destruição pessoal, ou ainda a má vontade de certos economistas e a urdidura tecida por algum país que pensava. Os números não batiam certo por uma pura teimosia das máquinas de calcular ou pela presença vírus destruidores enviados por seres estranhos. Esgotadas as forças internas, passámos às agências de rating que, num assomo de ódio inexplicável para com as lusas terras, e por certo movidas por invejas do clima ou do nosso avanço tecnológico, resolveram criar uma campanha poderosa com vista à nossa falência. Tudo isto chega a um ponto em que duvido da minha própria sanidade mental, pois tudo em volta se assemelha à orquestra do Titanic que teima em tocar enquanto o barco se afunda cada vez mais bruscamente.

publicado por Joao AC às 18:05

palavras soltas de um provinciano acomodado a Lisboa com uma grande compulsão para sair a correr terras
CAIXA DE CORREIO
acidadeeasterras@gmail.com
PESQUISAR
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

19
20
21
23
24

25
27
29
30